Número total de visualizações de página

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Bem.. Há muito que não escrevia... Não sei porquê.. Acho que não sentia necessidade disso, pelo menos é a única explicação que encontro... De qualquer forma não mudou muita coisa desde a última vez que aqui vim, infelizmente... Perece que continuo presa no mesmo capítulo, ou devo dizer livro?! Isso também não sei, porque sinceramente já perdi a conta dos anos em que ando nisto.. (eu não perdi realmente a conta, mas é quase isso). O que é certo é que depois de tanto tempo as coisas podiam ter mudado, mas idiota é aquele que pensar isso, porque está tudo na mesma... Damos voltas e mais voltas e, tal como uma circunferência perfeita, voltamos sempre ao mesmo ponto, o de partida! E eu posso continuar a dizer que estou cansada e que é de vez, mas nunca é, por isso, eu desisti de dizer fosse o que fosse, qual é o objetivo disso mesmo?! Pois! De qualquer forma, hoje senti vontade de cá vir, também não sei dizer porquê, apenas senti.

domingo, 4 de novembro de 2012

Olha, não fiques assim, vai passar. Eu sei que dói. É horrível. Eu sei que parece que não vais aguentar, mas aguentas. Sei que parece que vais explodir, mas não explodes. Sei que dá vontade de abrir um fecho nas costas e sair do corpo porque dentro de nós próprios, nesse momento, não é um bom lugar para se estar. Dor é assim mesmo, arde, depois passa. Que bom. Aliás, a vida é assim: arde, mas depois passa.
Pensa assim: agora tá insuportável, agora querias sair do teu corpo, encarnar num felizardo, virar um paralelepípedo ou qualquer coisa inanimada, anestesiada, silenciosa. Mas agora já passou. Agora já é dez segundos depois da frase passada. Tua dor já é dez segundos menor do que duas linhas atrás. Achas que não, porque esperar a dor passar é como olhar um navio no horizonte estando na praia. Ele parece parado, mas aí tu desvias o olhar, tomas um café, lês uma revista, dás um pulo ao mar e quando vais ver o barco já tá lá longe. A tua dor agora, esse fogo na tua barriga, – é difícil de acreditar, eu sei – vai virar só uma memória, um pequeno ponto negro diluído num imenso mar de memórias.
A vida é incontornável. Perdemos, levamos empurrões, somos deixados para trás, caímos. Dói, dói demasiado. Mas passa.
Estás a ver essa dor que agora dança no teu peito com uns saltos agulha? Tu ainda a vais olhar no fundo dos seus olhos e rir da cara dela.
Eu juro que vai passar

domingo, 21 de outubro de 2012



Mas afinal o que pretendes tu de mim?! O que me pretendes transmitir com as tuas atitudes, ou neste caso olhares?! Tens alguma coisa a dizer-me?! Então diz! Diz de uma vez por todas! Abre o jogo nem que seja pelo menos uma vez na tua vida, porque eu estou a começar a fartar-me! Se realmente te sou tão indiferente como me dizes que sou então porque não o demonstras em vez de fazeres exactamente o contrario?! Eu sei que provavelmente 'acabou' mas tanto eu como tu sabemos que por mais fins que púnhamos á nossa história, ela acaba sempre por recomeçar outra vez e eu estou farta disso! Mas não vou ser hipócrita ao ponto de dizer que não te quero mais, não voou, pois só me estaria a mentir a mim própria. Só quero que percebas que nao me vais ter sempre que quiseres e bem te apetecer, quero que percebas que atté a idiota que sempre aandou atras de ti quando querias tambem se há-de cansar.. E é só para avisar que esse momento está prestes a chegar e  não há-de faltar muito nao!